10 mitos e verdades sobre cabelos, unhas e pele

Nem mesmo a área da beleza escapa das fake news. Para esclarecer alguns mitos e verdades populares dos cuidados com a pele, as unhas e o cabelo, que por vezes acabam sendo bem controversos, conversamos com as dermatologistas Juliana Fonte e Márcia Donadussi. Confira:

UNHAS

Faz mal retirar as cutículas das unhas?

As cutículas são uma barreira de proteção para as nossas unhas. De acordo com as médicas, ao serem removidas, deixam a região desprotegida de, por exemplo, umidade e produtos químicos. Isso cria uma situação favorável a uma doença chamada paroniquia (um tipo de inflamação), a unhas encravadas e até mesmo a infecções fúngicas. Por isso, não é indicado remover as cutículas.

— O ideal é que as cutículas sejam bem hidratadas, com cremes, e que sejam, com cuidado, delicadamente empurradas para trás — explica Márcia.

— Mas, se não vive sem tirar as cutículas, a minha recomendação é fazer esse procedimento com menos frequência. Até porque quanto mais removemos, mais elas tendem a crescer — indica Juliana.

PELE

Posso usar bucha vegetal para esfoliar a pele?

A questão é, de fato, controversa. Juliana afirma que há médicos contra a prática e outros a favor. A dermatologista recomenda, sim, o uso da bucha vegetal para esfoliação, mas de forma delicada para não machucar a pele e somente promover a remoção das células mortas. Logo após o processo, não esqueça de hidratar a pele.

Márcia também indica o uso da bucha vegetal, mas alerta que a esfoliação mecânica pode ser feita, no máximo, uma vez por semana na pele do corpo. A dermatologista também recomenda que sejam usados óleos corporais durante o ritual de beleza, e não o sabonete.

— A combinação do atrito da bucha com o sabonete compromete o chamado manto hidrolipídico, que tem função de barreira e proteção da pele, tanto de infecções fúngicas quanto de resquícios como, por exemplo, o sabão de pó que ficou na roupa. Quando a pessoa está com este manto comprometido, aumenta a chance de alergias — explica.

Outro cuidado importante é o armazenamento da bucha. Quando é guardado em ambientes úmidos, como o box do banheiro, o item pode acumular bactérias.

Posso tirar a maquiagem no banho?

Poder, até pode, mas com alguns cuidados. O ideal é que a remoção de maquiagem seja feita com demaquilante ou água micelar. Se você optar por limpar o rosto no banho, o recomendado é usar um sabonete específico para o rosto.

Mas a lavagem nunca deve ser acompanhada com água quente. Se você tem pele seca, sentirá o efeito acentuado. Para quem é do time da pele oleosa, é provável que a oleosidade aumente, explica Juliana. Dica: na hora de lavar o rosto, diminua a temperatura da água, e depois siga com o banho mais quente.

E se estiver difícil de remover aquela máscara de cílios ou o delineador? Atenção extra para a limpeza da área dos olhos:

— Esfregar muito essa região pode acabar provocando a queda dos cílios, ainda mais hoje em dia que os alongamentos estão na moda — ressalta Juliana.

Preciso mesmo usar protetor solar em casa?

Sim! Hoje já sabemos que a radiação emitida pela luz de equipamentos como televisão, computadores, tablets e celulares pode piorar manchas e favorecer o envelhecimento cutâneo, afirma Juliana.

O ideal é que o protetor seja utilizado diariamente e incluído na rotina – assim como escovar os dentes, diz Márcia:

— Estas radiações também são nocivas, especialmente porque são mais ricas no ultravioleta A, que penetra profundamente na pele, causando dano no colágeno e deixando a pele com maior tendência a linhas, rugas e flacidez — afirma.

Máscara de café faz mal mesmo?

Não. Quando feita corretamente, pode proporcionar, inclusive, alguns benefícios para a pele, como ação anti-inflamatória, antioxidante e hidratante, garante Juliana.

Em relação à máscaras caseiras no geral, cuidado com que contenham combinações de itens, como limão ou outros cítricos, que podem reagir com o sol e ocasionar manchas, lembra Márcia. A médica também questiona a eficácia do tratamento – já que mesmo dermocosméticos testados têm dificuldades em penetrar profundamente na pele para influenciar na produção de colágeno e na ativação de fibroblastos, por exemplo.

— As máscaras caseiras têm mais um efeito cosmético, uma sensação que pode ser causada pela hidratação da pele mais superficial — explica.

Tem problema passar o hidratante do rosto no corpo – e vice-versa?

Não há contraindicação, garante Juliana. Mas é importante ficar atenta ao tipo de pele do rosto e o corpo, pois nem sempre são iguais – e, por esse motivo, cada área terá necessidades diferentes.

Tirar sobrancelha com pinça fará o fio crescer mais grosso?

Não. Mas Márcia alerta: por causa do mecanismo de tração, é possível que não cresça mais pelos na região. Por isso, muito cuidado ao afinar a sobrancelha.

Espremer cravos e espinhas

Os cravos podem ser removidos de maneira adequada por um especialista. Mas não custa lembrar: as espinhas não devem nunca ser espremidas.

— Ao espremê-los, inadvertidamente, machucamos a pele e mobilizamos as bactérias que estão ali no local. Isso pode provocar manchas, cicatrizes e até mesmo disseminação de infecção para os tecidos mais profundos — explica Juliana.

Márcia acrescenta que, ao espremer uma espinha, retiramos células boas da pele, o que pode também resultar em buraquinhos no rosto.

Ao espremer os cravos de forma inadequada, sem dilatar os poros, por exemplo, é comum que voltem em uma semana, garante Márcia.

— O ideal para os cravos é a combinação de uma correta limpeza de pele com junto de um skincare adequado, com os produtos específicos — diz.

CABELO

Por que não é recomendado usar condicionador perto da raiz?

Geralmente, a raiz do cabelo é mais oleosa do que os fios. Justamente por isso, devemos evitar o uso de condicionadores na raiz, pois pode agravar a oleosidade e provocar o surgimento da caspa. Além disso, o produto pode deixar os fios com aspecto de sujo logo após a lavagem, diz Juliana.

Então, o condicionador fica restrito para as pontas, da parte da orelha para baixo, concorda Márcia, que explica as finalidades dos produtos: o xampu deve ser escolhido de acordo com o tipo de pele de cada pessoa, já o condicionador e as máscaras com o tipo de fio.

— Uma vez que se tenha a pele do rosto oleosa ou mista, muito provavelmente a pele do couro cabeludo também tenha um pouco mais de oleosidade. — diz ela. — Já o condicionador e a máscara devem ser escolhidos a partir das características do fio. Como um grande percentual de mulheres utiliza alguma forma química no cabelo, muitas têm fios ressecados. Então, devem usar produtos hidratantes no fio, mas nunca no couro cabeludo, que é de onde parte a produção de oleosidade. Ao passar esses produtos na raiz, se corre o risco de provocar dermatite seborreica, caspa, e tornar o cabelo mais oleoso.

Lavar o cabelo não quer dizer que você precise esfregar muito o couro cabeludo

Isso pode causar sensibilização e levar a um dermatite irritativa, e até mesmo estimular as glândulas sebáceas a produzir oleosidade excessiva, afirmam as médicas. Por isso, vá devagar na hora de esfregar o xampu!

Reportagem veiculada na revista Donna, no Jornal Zero Hora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *